Conheça as 12 mais importantes peças de motor automotivo

Como gestor de uma autopeças, é importante saber quais são as principais peças de um motor automotivo e que esse funciona como o coração de um carro. O seu perfeito funcionamento permite que o veículo tenha potência o suficiente para operar em harmonia e se locomover rapidamente.

Estar ciente sobre as diferenças e os funcionamentos de cada peça com que sua oficina opera representa um grande diferencial profissional que certamente pode ser apreciado pelo seu cliente, devido à qualidade do serviço.

Portanto, neste conteúdo, mostraremos as 12 mais importantes peças que fazem parte do motor de um automóvel que você precisa conhecer. Quer saber mais sobre o assunto? Continue conosco!

Veja quais são as peças de motor automotivo mais importantes

1. Bloco do motor

O bloco do motor é como se fosse o corpo, sendo a maior parte de todo o conjunto e responsável por sustentar os demais componentes que o integram. Em geral, é produzido em ferro fundido ou alumínio.

O bloco do motor determina alguns aspectos, como a disposição e o número dos cilindros — local em que acontece a combustão. Além disso, é no bloco que ficam as câmaras de arrefecimento e lubrificação (a ar ou a água, dependendo da aplicação).

O bloco sintetiza a sua importância máxima por ser um composto de todas as peças que mostraremos a seguir, como bielas, válvulas, pistão, anéis do pistão, velas de ignição, entre outras. Um conjunto absolutamente vital para a saúde de qualquer carro e, por isso, deve ser tratado com o maior padrão de peças de qualidade.

2. Pistão

O pistão é a peça responsável pelo movimento de compressão e expansão dos gases dentro do motor. Sua composição é feita a partir de ligas de alumínio e apresenta formato cilíndrico.

No caso de motores de ciclo Otto, sua cabeça é reta, mas também pode ter uma câmara de combustão em seu topo (ciclo diesel). Geralmente, são acompanhados por dois tipos de anéis: os de vedação e os de lubrificação.

Esse é um dos tipos de peças de motor automotivo que, em carros antigos, geralmente, eram produzidas em ferro fundido, mas, nos automóveis novos, foram substituídas por alumínio para reduzir as chances de superaquecimento na motorização.

3. Anéis do pistão

Os anéis do pistão fazem a vedação deslizante entre a bordo interior do cilindro e a borda externa do pistão. Suas duas principais finalidades são:

  • manter o óleo no cárter, impedindo que vaze para a área de combustão, onde seria queimado e desperdiçado, além de produzir uma fumaça tóxica;
  • impedir que a mistura de combustível e ar seja espaçada da câmara de combustão, vazando para o cárter durante os movimentos de compressão e combustão.

Em geral, os veículos que são conhecidos por “queimar óleo” e que necessitam que um litro seja adicionado a cada 3 mil km aproximadamente fazem isso porque os anéis de vedação são velhos, estão desgastados e já não realizam mais suas funções como deveriam. Não tratar dos anéis do pistão significa ir na contramão da tecnologia limpa.

4. Cilindros

Cilindros são uma das principais e mais importantes peças de motor automotivo, pois possibilitam o movimento do pistão — portanto, são indispensáveis. A potência da estrutura da motorização está relacionada diretamente aos cilindros. É por isso que, quanto mais cilindradas, maior a potência do motor de um carro.

5. Válvulas

As válvulas são as peças que vedam as estruturas compostas na câmara, mantendo a combustão ao escapamento. Além disso, são responsáveis por gerar a abertura aos gases. Para que ocorra um ciclo completo, é necessário que as válvulas de admissão capturem o combustível e o ar.

Fique atento: um dos sinais de que algo não vai nada bem com as válvulas é a presença de uma enorme quantidade de fumaça escura — provinda da queima excessiva de óleo e gás, muito prejudicial para a saúde dos passageiros e a do motor do veículo.

6. Vela de ignição

É mais uma das peças de motor automotivo que são consideradas indispensáveis, sendo de máxima importância que todo gestor de oficina mecânica saiba intimamente a sua função.

As velas de ignição geram faíscas quando o motorista aciona a partida, fazendo com que o carro funcione. Há uma mistura de ar e gasolina que faz com que o trabalho inicial do ciclo da combustão ocorra. É importante saber que os motores de sistema a diesel não têm essa estrutura presente.

7. Virabrequim

O virabrequim tem a função de administrar os movimentos do pistão. É no interior da câmara de combustão que ocorre a queima do combustível, gerando gases que empurram o pistão que, por sua vez, fica interligado ao virabrequim ou à árvore da manivela.

Resumindo: o virabrequim transforma o movimento alternado dos pistões em rotação, gerando energia diretamente para as rodas do automóvel. Todo esse trabalho acontece juntamente aos mancais fixos, presentes dentro do bloco do motor.

Por fim, os casquilhos (capas presentes nos mancais) têm a finalidade de reduzir o atrito que é causado no virabrequim, enquanto o bloco funde e proporciona uma lubrificação específica que garante a circulação do óleo no sistema.

8. Biela

Trata-se da peça que liga o pistão do motor ao virabrequim. Geralmente, é composta por aço forjado para garantir que seja bastante resistente e segura. A biela é dividida em três partes: cabeça, corpo e pé.

A cabeça é interligada ao pistão por meio de um pino, enquanto o pé é conectado ao virabrequim, fazendo uso de uma substância conhecida como bronzina (um material antifricção).

9. Juntas

No que diz respeito à mecânica de motores, quando alguém se refere às juntas, está falando sobre as peças que interligam os variados componentes de um motor automotivo, garantindo que os fluidos não se misturem e o funcionamento do propulsor seja comprometido. Vale destacar que as principais juntas de um motor são as do cabeçote, do cárter e da tampa das válvulas.

Junta do cabeçote

A junta do cabeçote é responsável pela rotação de circuitos de água e óleo, promovendo a refrigeração e a lubrificação do motor. Tudo isso para vedar e impossibilitar vazamentos vindos da câmara de combustão.

10. Cárter

Para concluirmos nossa lista das principais peças de motor automotivo, é importante citar o cárter, responsável por armazenar o óleo que lubrifica o motor. O cárter é composto, na maioria das vezes, por uma chapa dura e localiza-se na parte inferior do bloco.

É sempre bom informar que existem modelos que vêm separados do bloco — esses tipos são conhecidos como cárter seco. Nesses casos, o ideal é que o lubrificante fique armazenado em outro reservatório separado.

11. Bateria

Até para os mais leigos em mecânica, a bateria é bastante conhecida. Esse componente é responsável por fornecer a energia de que o motor necessita para cumprir suas funcionalidades de forma adequada.

Ela alimenta o sistema elétrico automotivo e precisa ser carregada com regularidade devido a motivos rotineiros que podem fazer com que descarregue. A sua troca é necessária de tempos e tempos e, para isso, é importante fazer a manutenção preventiva, pois seu mau funcionamento impede o motor de funcionar.

12. Alternador

E se a bateria é essencial para a parte elétrica do veículo, o alternador é essencial para que a bateria seja corretamente carregada. Ele é responsável por manter alimentados, com a sua corrente, todos os pontos elétricos do sistema.

Seu funcionamento limita-se apenas a ser o intermediador durante a partida do automóvel, ficando inoperante com o carro depois de ligado. No entanto, sua função é essencial e não deve jamais ser ignorada.

Para além de saber a importância, saiba como sempre tê-las

Garantir uma boa administração de uma oficina mecânica necessariamente significa manter a saúde financeira do seu negócio. Dentre os tópicos mais essenciais, certamente, um deles é manter uma gestão de estoque autossuficiente de peças de motor automotivo para que nunca falte aquilo de que o seu cliente precisa no momento.

Lembre-se de que estamos tratando da forma de locomoção daqueles que procuram o seu serviço e geralmente requerem urgência. É preciso, portanto, escalar uma ordem de importância e de saída, com a finalidade de antecipar encomendas e garantir sempre a disponibilidade do que a clientela necessita.

Jamais menospreze esse quesito, pois, mais que saber a importância, é preciso sempre disponibilizar o necessário para cumprir as ordens de serviço da sua oficina mecânica. Fique atento!

Acompanhe as vendas e os serviços

Parte da lógica de manter seu estoque sempre com a quantidade suficiente para atender à demanda de sua oficina passa por acompanhar sempre as vendas e os serviços de seu estabelecimento.

Esteja sempre em sintonia com a sua equipe para saber o que vende mais, quais são os serviços mais solicitados e coisas do tipo. Além disso, permitir que nunca falte nada faz com que você saiba mais sobre quem é o seu cliente, trançando um perfil que pode ser usado posteriormente para fidelizá-lo.

Organize seus produtos

Assim como qualquer atividade profissional, uma oficina mecânica também precisa de uma organização básica. Organizar peças por tamanho e especificidade e verificar se andam juntas ou não pode otimizar o trabalho e acelerar a execução de uma ordem de serviço do seu estabelecimento.

Não faz sentido manter peças automotivas da parte de suspensão com as de ignição, por exemplo. Pistões, anéis de pistão e cilindros, por outro lado, podem ser dispostos em uma mesma seção.

Dito isso, recomenda-se separar as peças por áreas — essas organizadas em ordem alfabética. E, dentro dessas áreas, novamente, organizar pela ordem do alfabeto. Outra dica é fazer seções de autopeças diferentes de acessórios, como pneus, calotas, limpadores de para-brisas etc. As peças do motor devem estar organizadas em um local específico, enquanto os acessórios devem estar à mostra, funcionando como vitrine para o seu cliente.

Não abra mão de peças de qualidade

O cliente de uma oficina mecânica está interessado em precisar ir menos às oficinas. Além das importantes revisões regulares, certamente, não é desejável pelo freguês ter que ficar com o carro parado constantemente. Portanto, além de incentivar a manutenção preventiva constante, o dono de oficina deve estar atento e nunca abrir mão da qualidade de suas peças de motor automotivo.

Um serviço bem-feito, claro, é sempre desejável e, por isso, o bom empreendedor deve contar com a capacitação de sua equipe e com o trato da clientela, mas grande parte desse esforço é garantir as melhores matérias-primas. É simples: assim como não dá para se fazer um bolo de sucesso com a pior farinha do mercado, não dá para oferecer o melhor serviço com carência de qualidade de suas autopeças.

Aumento de produtividade e vendas

Peças feitas sob medida e com capricho são mais fáceis de manusear e tem perfeitos encaixes e estruturas. Além de otimizarem o trabalho dos mecânicos, ainda trazem credibilidade ao negócio.

Indo por esse caminho, é sempre bom deixar o seu cliente absolutamente ciente do porquê da necessidade de peças tão sofisticadas. É sempre bom fornecer várias opções, desde que, claro, sejam todas de qualidade.

As vendas nesses casos estão diretamente ligadas à qualidade dos serviços. A máxima de que um cliente satisfeito sempre retorna é a mais pura verdade, incluindo quando estamos falando da sua oficina. Ganhe a confiança e fidelize seu cliente.

Saiba onde procurar

Já que falamos da qualidade de autopeças, é estritamente importante que o dono de oficina mecânica saiba onde achá-las. Muito mais que um ótimo estabelecimento que fornece peças, é preciso ter a garantia da qualidade, da disponibilidade e do acompanhamento profissional.

Nenhum bom empreendedor precisa estar sozinho ao administrar o seu negócio. Ele pode contar com o auxílio da experiência de anos de mercado de empresas que se comprometem a estar sempre junto no que diz respeito ao fornecimento de peças de motor automotivo.

A TAKAO

Uma empresa com 22 centros de distribuição e 10 anos de estrada pode auxiliar na luta diária do dono de oficina. Conte com o auxílio que puder na hora de organizar o seu negócio.

É importante sempre ter em mente que conhecer o seu produto pode garantir ainda mais que você entenda do negócio e de suas necessidades. A partir daí, contar com uma distribuidora virtuosa e com várias ramificações presentes em todo o Brasil é um grande passo empresarial.

Como você pôde conferir neste artigo, existe uma infinidade de peças de motor automotivo que integram o coração do veículo. Ainda que você não seja um mecânico automotivo, é um grande diferencial conhecer os componentes e suas funcionalidades — tanto para informar o seu cliente, quanto para negociar e entender as suas necessidades mais urgentes.

Este post foi útil para você? Então, aproveite para tirar suas dúvidas e deixar suas opiniões no espaço de comentários. Até breve!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

1 Comentário

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.