Oficinas mecânicas familiares e outros negócios têm como grande característica o feito de terem surgido graças ao esforço da própria família em empreender — na qual todos os entes próximos contribuíram para o desenvolvimento e prosperidade dos negócios.

Porém, como o vínculo entre essas pessoas é muito forte, já que possuem o mesmo sangue, é necessário estabelecer uma boa gestão familiar.

Vocação é a razão da existência dessas empresas, mas é preciso ser realista e perceber que nem todos os parentes têm perfil empreendedor. Pode haver um membro da família que possui outros talentos que movem os negócios, como a facilidade em aprender medidas burocráticas ou simplesmente gostar de pôr a mão na massa, por exemplo.

Apesar da facilidade em crescer com rapidez, as organizações familiares são as que mais padecem na cultura empresarial. O maior problema é a definição clara de hierarquia devido à dificuldade em separar o pessoal do profissional. Ou seja, a facilidade em recrutar entes próximos para trabalhar na instituição não é a mesma para comandá-los.

Para te ajudar na gestão familiar do seu negócio, acompanhe quatro boas práticas e uma lista de vantagens que serão conquistadas se você tomar os devidos cuidados!

1. Organize a empresa

Organizações familiares possuem três pilares básicos que apoiam sua estrutura: família, propriedade e negócios. E, por esse motivo, todas as decisões em relação à gestão e orçamentos podem afetar os membros e tornam-se fatores de conflitos se não houver uma liderança amadurecida e profissional.

Para isso, é necessária a formalização de medidas de gestão a fim de criar uma governança empresarial, que é dividida em quatro princípios-chave:

  • identidade empresarial: deve-se expor e integrar com clareza a missão dos negócios e quais são suas políticas e valores que farão da empresa um negócio responsável e autossustentável;

  • direção: possuir metas/objetivos, trabalhar em conjunto para o sucesso do empreendimento e saber em qual direção está caminhando. Vale também implantar atitudes sólidas e prudentes para colher frutos no futuro;

  • obediência: ter disciplina é um fator importantíssimo para a gestão familiar, pois todos precisam respeitar os horários, os prazos, as regras, as divisões de tarefas e trabalharem para alcançar o desempenho esperado;

  • flexibilidade: esse é outro princípio que pode ajudar na sobrevivência do negócio, pois é preciso acompanhar as mudanças de mercado que podem aumentar a eficiência dos processos. Isso não deve ser ignorado.

2. Reúna-se com os familiares envolvidos para fazer balanços, discutir ideias e soluções

Reuniões periódicas são sempre bem-vindas nos negócios, inclusive com a participação de funcionários que não possuem parentesco com a empresa. Nesses encontros, é preciso discutir alguns fatores importantes, como:

  • perspectivas: muitas vezes, alguém de fora da família tem visão e compreensão mais vastas e elevadas, que podem ajudar os familiares na criação de novas estratégias;

  • identificação de oportunidades: contribui para direcionar as novas possibilidades e transpor desafios;

  • possibilidade de crises: empresas familiares podem, como qualquer outra, vivenciar momentos críticos em que os objetivos precisam ser repensados. Discutir soluções ajuda muito na manutenção do negócio;

  • transparência nas decisões: resoluções sobre planos estratégicos devem ser discutidas de maneira mais eficiente, transparente e acessível.

3. Adote medidas éticas

A ética deve fazer parte de todo o funcionamento do negócio quanto à divisão de lucros; contas do empreendimento não podem ser misturadas com as pessoais e outras questões éticas.

A fim de colocar essas medidas em prática, é preciso obedecer ao princípio da entidade que diferencia o patrimônio da empresa do patrimônio da família.

Em apoio disso, a ética será perfeitamente praticada se os bens e capitais pertencentes ao negócio forem utilizados para o seu desenvolvimento e manutenção.

Procure atribuir um responsável pelo financeiro da organização, pois em pequenas empresas familiares ocorrem muitos casos de o contador ser também vendedor ou gestor operacional. Isso atrapalha a visão de capital e pode haver negligências em cadeia nos negócios, por causa da sobrecarga de responsabilidades.

Outro ponto importante em relação a ética que vale ser discutido é a respeito de gestão de pessoas nos processos de seleção, contratação e promoção, pois precisam beneficiar os interesses do estabelecimento e não os pessoais.

4. Estabeleça critérios justos para selecionar sucessores

A sucessão nas empresas familiares costuma ser bastante conturbada e polêmica, afinal muitos querem ser o próximo comandante do negócio. Só que nem todos têm o perfil exigido para essa função; por exemplo, um filho mais velho que não sabe separar o trabalho dos assuntos da família, desrespeitando o pai (que é chefe) no empreendimento.

Em períodos transitórios, são levantadas questões como:

  • preparo dos sucessores;

  • motivação profissional;

  • motivação pessoal;

  • os conflitos que podem surgir.

Portanto, a sucessão precisa ser encarada como motivo de preparação. E não é só do sucessor, mas de todos os funcionários, com clima empresarial e cultural, para que o processo seja tranquilo e com o consentimento de todos.

A equipe deve reconhecer que a sucessão foi feita de maneira justa e sábia e que o novo chefe foi devidamente preparado para assumir os negócios da família. Logo, tudo deve ser encaminhado com maturidade e responsabilidade, fruto dos negócios familiares de sucesso.

Vantagens que serão obtidas se você colocar as dicas explanadas acima em prática

Pontos fortes de uma gestão familiar de sucesso:

  • comando único, permitindo condutas rápidas em casos de emergência;

  • estrutura administrativa e operacional simplificada e eficiente;

  • organização interna leal e responsável;

  • importantes relações comerciais decorrentes de um nome respeitado;

  • elevação da confiança mútua, independentemente de vínculo familiar;

  • percepção em relação ao bem-estar dos colaboradores/mecânicos;

  • grupo motivado e unido em torno do fundador (ou fundadores) da empresa.

Com o que foi explanado ao longo deste post, esperamos que você tenha compreendido que a gestão familiar precisa ser refinada constantemente. Basta que os envolvidos mantenham boas relações entre si, a fim de unir forças para vencer os conflitos diários e realizar uma administração eficiente. Desejamos boa sorte a você e a seus familiares com as atividades de sua oficina mecânica!

E aí! Gostou das dicas de boas práticas em gestão familiar? Então, confira muito mais conteúdo de qualidade e siga-nos nas redes sociais. Estamos no Facebook, Youtube e Google+!