Possivelmente, você sabe que o óleo automotivo é essencial ao funcionamento do motor. Além de ser um dos grandes responsáveis pela vida útil do coração do veículo, ele desempenha outras funções muitos importantes, como lubrificação das peças (redução do atrito), manutenção da temperatura, limpeza do motor e proteção contra oxidação. 

Entretanto, alguns fatores podem levar o motor a “baixar o óleo”, e saber como reduzir o consumo é fundamental para evitar a sua deterioração e garantir que o carro continuará em perfeitas condições de rodagem. Por isso, preparamos algumas dicas para você. Confira!

Veja qual o consumo ideal de óleo automotivo

Antes de descobrir como reduzir o consumo de óleo automotivo, você precisa saber que há um gasto natural. Isso significa que um consumo atípico e preocupante é aquele observado em condições normais de deslocamento e em curtos intervalos de tempo e quilometragem.

Cada tipo de motor tem as suas especificidades. No caso dos carros zero quilômetros, não é incomum que o óleo fique abaixo do nível recomendado após os primeiros períodos de uso.

Inclusive, é possível que o consumo apresente um pequeno excesso durante o “assentamento” ou “amaciamento”, momento no qual os componentes do motor, como cilindros, eixo virabrequim e pistões estão se ajustando.

Entretanto, o consumo acima de 10% daquele considerado tradicional, ou seja, de mais de um litro a cada 5 mil quilômetros, é um indicativo de avaria.

No caso dos veículos que percorreram milhares de quilômetros, o alto consumo também pode ser aceitável — um litro a cada mil quilômetros. Isso porque diversos componentes apresentam alto desgaste. Tais motores são popularmente conhecidos como “cansados”.

Portanto, o consumo de óleo automotivo só é aceitável em duas situações: quando o motor é novo ou quando ele requer manutenção urgente.

Agora que você já sabe como funciona o consumo de óleo, confira o que fazer para evitar que esse gasto atípico aconteça!

Entenda como reduzir o consumo de óleo automotivo

Existem algumas medidas que podem ser adotadas para reduzir o consumo excessivo de óleo automotivo. Veja algumas delas!

1. Verifique a presença de vazamentos

Grande parte dos casos de consumo elevado de óleo automotivo são decorrentes da existência de algum vazamento.

Vale ressaltar que apenas gotejamentos esporádicos nem sempre são sinônimos de problemas. Afinal, o motor tem inúmeras junções, e pode acontecer de escapar uma gota de alguma delas.

Por isso, é muito importante ficar atento às manchas que aparecem no local em que o veículo está estacionado. Se elas indicarem a existência de um gotejamento intenso ou frequente, há algo errado.

Existem inúmeras causas de vazamento. No entanto, muitas vezes, eles são decorrentes da existência de algum tipo de problema nos vedantes principais (por exemplo, a junta da tampa de válvulas e a junta do cárter) ou até mesmo no filtro de óleo. Desse modo, para identificar a origem do vazamento, o ideal é checar se as junções do motor estão em perfeitas condições.

2. Realize as devidas manutenções

Fazer a manutenção (preventiva e corretiva) do carro é uma das principais formas de reduzir o consumo de óleo. Afinal, a ação do tempo e o uso causam a deterioração das peças. Após sucessivas trocas de óleos, por exemplo, pode ser que o bujão do cárter (ou o próprio cárter) apresente defeito. O mesmo ocorre com as juntas e borrachas responsáveis pela vedação.

Além disso, os motores são projetados para que todas as peças atuem em total sincronia. Quando os movimentos entre válvulas e pistões não estão em harmonia, o vácuo criado pode conduzir porções de óleo à câmara de combustão. Nessa situação, o lubrificante passa a ser queimado junto com a mistura de ar e combustível.

Isso pode acontecer, por exemplo, quando a manutenção da correia dentada é negligenciada. O assincronismo entre o virabrequim e as válvulas, causado pelo defeito da peça, aumenta o vácuo e, consequentemente, a elevação do consumo de óleo.

Portanto, o recomendável é seguir o calendário de manutenção proposto pelo fabricante ou levar o carro a uma oficina especializada sempre que algo atípico for percebido.

3. Evite a sobrecarga do motor

No geral, os manuais de carros trazem a indicação do peso máximo que pode ser transportado pelo veículo. Associado à carga, vem a indicação da calibragem dos pneus — há valores específicos para a rodagem com carga e sem carga.

Não é incomum que os motoristas ignorem essas informações. No entanto, elas devem ser seguidas à risca, uma vez que a inobservância dessas especificações levam ao consumo excessivo de óleo e podem até mesmo causar danos a outros componentes do veículo, tais como o desgaste prematuro dos freios, pneus e suspensão.

Quando o carro é conduzido com um peso acima do indicado ou em condições extremas (por exemplo, em terrenos montanhosos) há uma demanda maior do motor. Consequentemente, o gasto de óleo na manutenção da temperatura e na lubrificação do motor também aumenta.

4. Verifique a queima de óleo

Um dos principais motivos de elevação do consumo é a queima de óleo (“motor fumando”), causado pelo desgaste dos componentes internos do motor. Esse tipo de defeito é recorrente em carros que percorreram longas quilometragens ou sofreram alguma falha no sistema de arrefecimento, acarretando no superaquecimento do motor.

Geralmente, isso acontece porque o lubrificante ingressa na câmara de combustão em razão das folgas entre o cilindro e o pistão, ou da presença de trincas e ranhuras na estrutura interna do motor.

Para descobrir se o motor está queimando óleo, verifique a emissão de fumaça no sistema de escapamento, o acúmulo de fuligem no tubo final do escape, a presença de barulhos no motor (“batida de pino”) e a ocorrência de queda de desempenho do motor.

Quando esses sinais estão presentes, pode ser necessário realizar a retífica do motor e utilizar a camisa de cilindro. O objetivo dessa peça é vedar a câmara de combustão e permitir a troca de calor (dissipação da temperatura resultante do atrito) por toda a extensão do bloco do motor.

Vale lembrar que o componente deve seguir os padrões de qualidade necessários e ser fornecido por empresas confiáveis e reconhecidas pelo mercado.

Como vimos, ficar de olho no fluido lubrificante é muito importante para garantir a durabilidade e o bom funcionamento do motor. Após a leitura deste artigo, certamente você descobriu como reduzir o consumo de óleo automotivo e o que fazer para cuidar melhor do principal conjunto de peças do veículo.

Quer ficar por dentro de mais conteúdos do universo automotivo? Assine nossa newsletter e receba artigos como este diretamente em sua caixa de entrada!