Evitando o desperdício: O ambiente da oficina mecânica é algo agitado e dinâmico. Funcionários e veículos circulam intensamente pelos galpões e a demanda de trabalhos faz com que muitas vezes os mecânicos tenham que se desdobrar para atender mais de um veículo simultaneamente. 

Essa correria pode acarretar em menos cuidados com algumas questões importantes. Um desses tópicos é o desperdício na oficina mecânica. Existem algumas práticas que os gestores podem avaliar e implementar na oficina para reduzir desperdícios comuns, como de água, energia elétrica e material. 

Esse tema do desperdício é algo que se tornou importante quando as empresas e indústrias passaram a avaliar melhor os impactos de suas atividades no meio ambiente e na sociedade, porém, além desse critério “social”, o desperdício tem seu viés econômico, afinal, é um sinônimo de prejuízo. Em tempos de economia instável, nenhuma empresa deve abrir mão de economizar onde puder e, por isso, mais uma vez a preocupação com gastos desnecessários volta à pauta. 

Se você é gestor de uma oficina mecânica e está em busca das melhores práticas para reduzir o desperdício e também é antenado com as questões ambientais, como o descarte de resíduos, confira este post que nós preparamos para tirar suas dúvidas!

1. Reduzindo o desperdício de tempo

Diferente de água, energia elétrica ou gás, nós não pagamos uma conta pelo tempo, mas ele interfere de maneira intensa no faturamento de uma empresa ou na sua rotina. Por mais que seja um ditado velho e gasto, “tempo é dinheiro” continua sendo uma frase extremamente atual. 

Existem alguns pontos que são críticos em relação à gestão do tempo. O primeiro fator que influencia é a organização do ambiente de trabalho. Dentro da oficina, as ferramentas e peças devem estar bem localizadas e sinalizadas, evitando que o mecânico passe alguns minutos em busca daquilo que precisa. 

No escritório, vale a mesma ordem. Nada de deixar uma mistura de documentos, notas fiscais e ordens de serviço. Tente mantê-los organizados e divididos de maneira que o acesso e a busca sejam mais fáceis. 

Mais uma dica relacionada ao tempo: planeje o trabalho, veja se as peças que o cliente precisa já se encontram no seu estoque. Carro parado no pátio da oficina não dá lucro e gera redução de espaço e de vagas disponíveis para outro trabalho, por isso, ao organizar o trabalho você reduz o tempo de atendimento para cada cliente. 

2. Melhorando processos

Os processos são a maneira como estão estruturadas as atividades da oficina. Quando existem etapas na qual se perde muito tempo, eles são considerados os gargalos do processo. Os gargalos trazem companhias indesejáveis, como clientes impacientes com a demora, a recusa de trabalho por falta de agenda e a lentidão na finalização dos trabalhos. 

A distribuição adequada dos trabalhos de acordo com a mão de obra e a organização do ambiente são algumas etapas iniciais para redução dos gargalos. Feito isso, o gestor pode tomar outras decisões para tentar melhorar o processo, tais como analisar a necessidade de contração de funcionários mais qualificados, ampliar a quantidade de mecânicos ou redistribuir as funções. 

3. Reduzindo o desperdício de água e energia

Tanto para água como para energia, existe apenas uma maneira eficiente de eliminar os desperdícios: por meio da educação dos funcionários. 

É necessário conscientizá-los sobre os impactos dos desperdícios, tanto para o bolso da oficina quanto para o planeta. Faça alguns avisos sobre desperdícios, faça reuniões com os funcionários e exponha os gastos mensais e quais as metas que você pretende alcançar. Você pode fazer uma espécie de “troca” com os funcionários, algo como uma bonificação (pode ser um almoço coletivo ou um pequeno prêmio) caso eles consigam atingir as metas de redução. 

Além do aspecto humano, confira também se o desperdício na oficina mecânica não está sendo causado por questões técnicas, como vazamentos, rede elétrica com problemas ou canos furados.

4. Manutenção do maquinário

Algumas das principais ferramentas da oficina são máquinas grandes e que utilizam recursos energéticos e/ou hídricos, além de graxas e outros óleos específicos. Para operar com excelência, essas máquinas precisam passar pelas manutenções periódicas recomendadas pelos fabricantes. 

Se há a negligência com a manutenção do maquinário, ele pode oferecer riscos aos operadores e gastar mais recursos para desempenhar as mesmas funções. É fato que algumas máquinas possuem um custo de manutenção altíssimo, ainda mais em oficinas autorizadas, mas mesmo que o valor seja alto, é melhor prezar pela segurança e bom desempenho. 

5. Gerindo o estoque 

Um estoque deve ser um espaço planejado, com divisórias, armários e gavetas suficientes para separar as peças e outros componentes que sejam revendidos em sua oficina. Algo muito bonito na teoria, mas na prática muita gente se complica. Em pouco tempo um estoque todo organizado pode se tornar uma bagunça enorme se não forem respeitadas as regras de distribuição do espaço. Assim como na questão da economia, é preciso reforçar a ideia da organização do estoque com todos os funcionários que frequentam o local. 

O pior desdobramento de um estoque bagunçado não é a dificuldade para encontrar as peças, mas o desperdício que pode ser causado por erros na compra de peças para repor as que foram utilizadas. 

Se o estoque da oficina possui um controle de entrada e saída e um espaço bem arrumado, dificilmente os gestores perderão o controle do que está faltando e do que sobra. Num espaço desorganizado a gestão do estoque fica bem mais complexa e dá margem à erros simplórios, como a compra de mais exemplares de um item de pouca saída. 

Resumindo: a melhor maneira de evitar desperdícios no estoque é prezando pela organização do espaço e o controle rigoroso de entrada e saída. 

6. Cuidando dos resíduos

Por fim, vamos falar da destinação dos resíduos produzidos pela oficina. Muitos itens descartados, como lubrificantes usados, filtros de ar e de óleo e pneus, são nocivos à natureza e precisam ser excluídos da maneira correta. 

Os pneus e outras borrachas devem ser separadas para reciclagem. A melhor maneira de se informar sobre a coleta ou locais de descarte é acionando a prefeitura ou secretaria do meio ambiente. A mesma regra vale para o descarte dos lubrificantes, porém, fique atento, pois existem locais que compram óleo usado e fazem o “rerrefino” do óleo. Os filtros podem ser descartados conforme sua composição (metal ou plástico), mas é preciso fazer a limpeza e retirar todos os resíduos presentes. 

Por fim, é preciso tomar atenção com algo muito pequeno, mas de grandes impactos. A lavagem de equipamentos sujos de gasolina e outros derivados de petróleo deve ser em tanques nos quais a água não corra diretamente para a rede de esgoto. Os derivados do petróleo possuem componentes que solubilizam na água e não são captados corretamente nas redes de tratamento, retornando para rios e lagos, gerando um ciclo de águas com altas cargas de componentes tóxicos.

Essas foram seis dicas para reduzir o desperdício na oficina mecânica e cuidar dos resíduos. Deixe seus comentários contando suas experiências com a gestão de oficinas. 

Quer se aprofundar ainda mais nos temas de administração de oficinas mecânicas? Então leia nosso guia sobre a prevenção de acidentes no ambiente de trabalho!