comando de válvulas

Como o comando de válvulas funciona e como escolher o ideal?

Com o passar do tempo, os motores evoluíram de muitas formas. A maioria das mudanças ou melhorias realizadas gira em torno de um melhor desempenho e da economia de combustível sem aumentar o tamanho do motor. Uma das maiores alterações está na configuração do comando de válvulas.

Dependendo do veículo, o eixo de comando pode se localizar dentro do bloco — que é conhecido como motor de válvula no cabeçote — ou o eixo de comando pode ficar no topo da cabeça do cilindro. Instalar eixos de comando é um trabalho avançado do motor, mas é possível aprender a realizá-lo do modo mais seguro possível e também algumas dicas gerais sobre como proceder corretamente.

Pensando nisso, preparamos o conteúdo a seguir para você. Continue a leitura para saber como funciona o processo e agir da melhor forma!

Enquadre o comando de válvulas

Primeiramente, as árvores de cames e os componentes da engrenagem da válvula devem ser lavados utilizando solvente para eliminar a poeira e a graxa acumulada ao longo do transporte, a fim de garantir uma instalação limpa. Coloque as peças sobre toalhas de papel, garantindo a secagem antes de realizar a instalação.

Não molhe os elevadores hidráulicos, que serão comprometidos pela limpeza de solventes. É preciso verificar a numeração das peças do eixo de comando e dos componentes da engrenagem da válvula no manual antes de instalar seu novo eixo de comando, evitando qualquer incompatibilidade de equipamento devido a um erro de envio ou na loja.

As árvores de cames e os rolamentos devem ser cobertos com condicionador de óleo, que normalmente vem nos novos kits de peças. Gire o came enquanto ele está no bloco, aplicando o óleo em pequenas quantidades. Preste atenção para evitar arranhões nos rolamentos do came.

Ao enquadrar o comando de válvulas, é preciso colocar o eixo em determinada posição com relação ao virabrequim, fazendo a medição com um relógio comparador e de um disco de grau. Inicialmente, é necessário sabermos o PMS real do motor, assim como seu PMI, para que seja possível executar o enquadramento do comando de válvulas.

Esse trabalho é muito importante, em razão de um período no qual o pistão não se movimenta devido ao fato de estar mudando de direção — o virabrequim fica girando e, quando chega ao seu trajeto final, a biela precisa reverter sua direção. É necessário que os procedimentos sejam feitos com o motor fora do veículo e sem o cabeçote, para que seja possível visualizar a cabeça do pistão.

Encontre o ponto morto superior do primeiro pistão

Logo em seguida, deve-se posicionar o comando de válvulas de modo que a válvula de admissão esteja com uma abertura de 1,27 mm quando o pistão se encontrar, antes de estar no ponto morto superior, em 22,5 graus. Para tanto, você terá que instalar o disco de graus na ponta do virabrequim, fixando-o ao volante do motor e também fazendo a instalação do relógio comparador.

Para conseguir achar o ponto morto superior do motor, é necessário utilizar um disco graduado em PMS (ponto morto superior) e PMI (ponto morto inferior). Esse disco ajuda a encontrar o ponto de ignição do motor e o PMS exato.

Achar o PMS é essencial por inúmeras razões, como identificar a distância entre pistão e válvulas, compreender o enquadramento do comando de válvulas, fazer a leitura do ponto de ignição, determinar a taxa de compressão, entre outras. Vale ressaltar que não há como encontrar o PMS somente “com o olho”, sem utilizar as ferramentas adequadas.

A ferramenta mais recomendada é o relógio comparador, em conjunto com o disco graduado, devido ao fato de evitar que seja medido um grau do PMS a mais ou a menos.

Coloque uma referência no bloco do motor

Depois de encontrar o ponto morto superior do primeiro pistão, é necessário fazer no volante do motor a fixação do disco graduado de 360°. A fim de fixar um ponteiro, deve-se definir um ponto no bloco: esta será a referencia fixa utilizada. Logo após, o volante precisa ser girado de maneira que chegue a 10 mm do PMS, o pistão do primeiro cilindro.

Esse objetivo é alcançado quando se faz uso de um relógio comparador fixado na face do bloco e também zerado nela. Depois de chegar a esse ponto, deve-se realizar uma primeira marca no volante, usando o ponto fixo do bloco como referência. É preciso continuar virando o volante para que o pistão chegue ao seu ponto mais alto e desça a 10 mm, que é a cota de trabalho.

Quando o volante chegar a esse ponto, faça a segunda marca. Porém, agora meça a distância das duas marcas encontradas em ângulos e divida-a por 2, para assim obter o PMS real. É importante lembrar que, para um motor 4 cilindros, o PMI do 2° e 3° cilindro é o PMS do 1° e 4° cilindros.

Fixe o disco de enquadramento“zerado”

Novamente, é preciso fixar no volante do motor o disco de graus e deixar um relógio comparador colocado sobre o tucho da válvula, uma vez que ele vai facilitar a identificação do momento exato em que ela inicia seu deslocamento. Depois disso, ajuste as folgas das válvulas e em seguida gire o motor, para que ele chegue ao PMS do 1° cilindro.

É nesse instante que o disco de enquadramento precisa ser zerado, isto é, fixado no 0° em referência a um ponto fixo que foi definido no bloco. Agora, basta girar o motor e verificar o começo da abertura de todas as válvulas de admissão, para que fiquem iguais. Além disso, veja se estão coincidindo com algum diagrama que deseje conferir.

Pronto: agora você já sabe como funciona o comando de válvulas, não é mesmo? Lembre-se de considerar a compatibilidade do eixo de comando antes de adquirir um. Além disso, certifique-se de que o tipo de comando que quer comprar seja de fato compatível com o seu motor.

Este post foi útil para você? Então, entre já em contato conosco e saiba como podemos ajudar sua oficina!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.