À medida que o mundo progride, pensando em um futuro que nos permita projetar algo melhor para as próximas gerações e para a natureza, atitudes autossustentáveis e amigáveis ao meio ambiente são cada vez mais bem-vindas.

Os meios de transporte que utilizamos representam pontos-chave dentro dessas discussões sobre o resguardo dos nossos recursos naturais. Cada vez mais, podemos deixar o combustível fóssil de lado e pensar em carros híbridos e elétricos — progressivamente mais acessíveis e disponíveis no nosso mercado.

Mas para estar por dentro dessas questões, questionamos: você sabe fundamentalmente diferenciar carros híbridos de elétricos? Não se preocupe, nós esclarecemos. Venha conosco!

Carro Elétrico

O próprio nome é, sem dúvidas, um resumo justo de sua característica. O carro elétrico tem apenas um motor, elétrico, que o move. Seu combustível exclusivo é, pasmem, a eletricidade! Isso significa que não existe capacidade nenhuma de poluição deste tipo de veículo, pois sua energia motora é totalmente limpa. 

Carrega consigo uma autonomia incrível de 100 a 150 quilômetros por recarga. O cálculo que se faz para o preço do reabastecimento completo de energia no Brasil é de, aproximadamente, R$ 12. Para título de comparação, contando com o mesmo valor para um carro movido à gasolina, é possível rodar algo em torno de 40 km. A economia é gritante.

Vantagens

Para início de conversa, é preciso saber que o carro elétrico não oferece qualquer tipo de emissão de substâncias prejudiciais ao meio ambiente. É 100% não poluente, pois não emite Co2 — principal vilão ambiental. Além disso, tem ótima autonomia energética e faz consideravelmente menos barulho do que veículos movidos a outros tipos de combustível.

Outras vantagens que merecem ser citadas:

  • autonomia três vezes maior que de carros movidos a etanol ou gasolina;
  • baixo custo de manutenção e facilidade de conserto;
  • maior vida útil se comparado a veículos de motor à combustão.

Desvantagens

Carros elétricos, infelizmente, não são ainda produtos de maciça produção em território brasileiro. Para importar um exemplar desses, é preciso lidar com os custos de taxas de importações, que dificilmente recebem incentivos fiscais para a prática. Além disso, pelos mesmos motivos de imbróglios na importação, a bateria do veículo costuma ter um preço elevado no nosso mercado.

Ainda não há uma estrutura completa no país para o abastecimento eficaz desse tipo de veículo. As tomadas específicas para carregamentos das baterias destes carros não são facilmente encontradas no Brasil. Isso representa uma certa limitação de pontos de abastecimento. É possível carregá-los em casa, mas o tempo de carregamento total pode chegar a 12 horas. 

Carro Híbrido

Como o próprio nome já diz, esses veículos são híbridos — ou seja, dentro desse contexto, misturam duas naturezas para a força motriz de seus motores. Sendo assim, se movem por duas fontes: um motor a combustão, movido por gasolina ou etanol, e um motor elétrico.

São mais fáceis de encontrar no mercado brasileiro. Seu modus-operandi ocorre por meio de uma central do sistema que varia a utilização de cada motor. Por exemplo: enquanto o motor à combustão funciona, o motor elétrico é carregado. 

Vantagens

A autonomia desse modelo de energia é também bastante vantajosa, assim como a dos carros elétricos. Estima-se que, com o tanque de combustível cheio e a bateria totalmente carregada, o carro teria 700 km à frente para a sua jornada. 

Outro fator para o consumidor ficar atento é que esse tipo de modelo é bem mais comum no país que o anterior. Além disso, no atual cenário, conta com maior facilidade de abastecimento, devido às duas fontes de energia.

Desvantagens

A primeira desvantagem desse modelo, sem dúvidas, é de se tratar de um carro híbrido, e não exclusivamente de um carro de energia totalmente limpa, muito embora já seja um passo importante para menor emissão de Co2 na atmosfera. 

Um pouco mais incentivado fiscalmente que carros elétricos, os carros híbridos têm recebido um certo ensaio para a isenção de impostos, ainda insuficiente se pararmos para pensar na popularidade do modelo nas ruas e estradas brasileiras.

O preço, comparado com carros populares e de motores apenas movidos à combustão, ainda é elevado. Embora, em questão de valor de mercado, sejam intermediários entre veículos comuns veículos elétricos, ainda deve-se avaliar o custo-benefício, colocando na ponta do lápis projeções de custos de abastecimento, pensando de autonomia dos modelos, além de suas facilidades de procedimentos.

A melhor escolha

Na dúvida, entre escolher por carros híbridos ou carros elétricos, o consumidor brasileiro deve acompanhar de perto as resoluções entre a legislação de impostos, envolvendo os dois tipos, e a estrutura que se firmará no país nos próximos anos.

É certo que há vantagens nas duas escolhas, envolvendo a economia escorada na autonomia das duas formas de desempenho dos motores. Deste modo, abre-se o precedente que varia entre: é vantajoso pagar pela importação de um carro importado? Ou é possível pagar menos por um carro híbrido e contar com as vantagens da versatilidade de duas formas de alimentação do motor? O comprador deve pensar a respeito. 

Estrutura nacional

De toda forma, é importante ressaltar que as duas formas de pulsionamento desses veículos representam avanços essenciais para pensar em uma menor poluição do ambiente dividido por todos. Deve-se considerar, portanto, em cada caso, qual a facilidade de abastecimento e qual o valor terá de pagar — tanto pelo veículo quanto para a sua manutenção e funcionamento.

É preciso estar atento ao pensamento estatal e privado sobre uma estrutura que pense com maior afinco no tocante à manutenção desses tipos de veículos. Haverão mais redes de abastecimento por todo o país? Haverá maior estrutura de peças e reparos voltados para esses tipos modelos? Pensar nessas projeções pode ajudar o consumidor a obter uma escolha.

Na Europa, pensar nesse tipo de energia limpa, cada vez mais, se torna uma realidade. Já é possível calcular uma estimativa de 40% do total de carros em vários países europeus que utilizam um desses tipos de mobilidade energética. Tudo isso é resultado de uma política de incentivos fiscais. Pensar em uma natureza com menos poluição de Co2 é pensar também em políticas públicas.

Agora que você sabe um pouco mais sobre a diferenças dos motores de carros híbridos e carros elétricos, na hora de dar o próximo passo pensando em energia limpa, é possível ver com mais clareza as suas vantagens estruturais, pensando na conveniência.

Gostou deste conteúdo. Nós estamos preparados para fornecer novos conhecimentos sobre tudo relacionado a carros. Siga nossas redes sociais — Facebook e YouTube — e saiba mais. Até a próxima!