Peças para motor novas ou usadas? Sem dúvida, essa pergunta já deve ter passado por sua cabeça em algum momento. Afinal, existe um grande mercado de componentes automotivos seminovos e há até mesmo uma lei que regulamenta sua comercialização.

Mas será que é possível confiar totalmente em partes que já foram utilizadas por outros motoristas? Será que há uma boa relação de custo-benefício, considerando que peças usadas podem custar até metade do valor?

Pois bem, neste conteúdo faremos um paralelo entre os prós e contras de aplicar peças usadas no motor, apresentando quais aspectos devem ser considerados na hora de indicar a melhor alternativa para reparo automotivo aos seus clientes. Acompanhe a leitura para conferir!

Quais são os prós e contras de utilizar peças de motor usadas?

O primeiro ponto a ser destacado, antes mesmo de abordarmos os benefícios e malefícios de utilizar peças seminovas na manutenção de carros, é que esse é um mercado que exige vários cuidados.

Existem muitos criminosos envolvidos no desmanche ilegal, especializados em comercializar peças roubadas ou furtadas como se fossem seminovas e autênticas.

Sendo assim, o primeiro e mais importante passo é verificar se a mercadoria é devidamente registrada. Para que possa ser revendida, é preciso que a peça tenha um emblema de legitimação comercial, falaremos mais sobre isso adiante.

Peças usadas podem ter qualidade, mas é preciso tomar cuidado

De acordo com a lei federal implementada em 2014, conhecida como a “lei do desmanche”, não é proibido comercializar peças usadas, desde que sejam devidamente testadas e regulamentadas, conforme as exigências previstas.

Por exemplo, para que os produtos usados possam ser rastreados até pelo consumidor final, é necessário que recebam uma etiqueta com um código de barras com todas as informações necessárias a respeito de sua procedência e dos testes realizados para que pudessem ser colocadas de volta à ativa.

O procedimento é importante, pois pode reduzir drasticamente os custos de manutenção, além de inibir atividades litigiosas de criminosos especializados em furtos e roubos de automóveis para revenda de peças.

Porém, é muito importante destacar que não há nenhum processo que garanta que uma peça usada terá o mesmo desempenho de uma nova. Se você se deparar com preços bons demais para serem verdade, desconfie!

Utilizar peças usadas pode ser uma atitude sustentável

O fato de estender o tempo de uso de uma peça que seria descartada, representa uma atitude sustentável e ecologicamente correta, pois isso significa menos resíduos no meio ambiente e um elemento do motor a menos a ser fabricado.

Peças usadas têm um tempo de vida útil menor

Se você ainda tem dúvidas na hora de escolher entre peças para motor novas ou usadas, é muito importante ter em mente que a segunda alternativa pode ter um tempo de vida útil consideravelmente menor.

Além disso, uma peça recondicionada não possui garantia e, por mais que tenha passado por processos de reparação e durabilidade para simular intempéries e seja certificada, não há como saber por quanto tempo e como foi utilizada pelo primeiro dono (ou donos).

O custo-benefício de peças usadas é baixo

Por outro lado, peças usadas tendem a durar muito menos. E no contexto financeiro, até pode parecer que o consumidor está fazendo um bom negócio, mas o fato é que o custo-benefício de adquirir um produto assim pode ser realmente baixo, apesar de elas custarem de 35% a 50% menos que itens novos.

Antes de tomar a decisão de comprar peças remanejadas, é preciso analisar alguns pontos. Por exemplo, se o carro tiver mais de quatro anos de uso e estiver fora do prazo de garantia, pode ser uma boa ideia, já que o automóvel também está desvalorizado.

Se você optou pelo seguro popular, é preciso tomar cuidado com as exigências contratuais. Em geral, as apólices dessa categoria são de 30% a 50% mais baratas que as de um seguro convencional, pois, entre outros aspectos, preveem o uso de peças genéricas (novas, mas de fabricação independente) ou seminovas.

Caso a prestadora de seguros ofereça a opção do uso de uma peça genérica — ou seja, similar à original — dê preferência a ela, já que há um ponto de vantagem a seu favor: ela nunca foi utilizada.

Peças usadas podem comprometer a garantia do carro

Por falar em seguros e garantias, uma das maiores desvantagens de utilizar peças de motor usadas em seu carro é que elas podem impactar a garantia do veículo.

Se após uma revisão, for constatado que o problema identificado no automóvel tem alguma relação com o fato de o consumidor estar utilizando componentes usados, ele perde a garantia do automóvel.

Mais um motivo para optar por usar somente peças novas em seu veículo, não é verdade?

Quais os prós e contras de utilizar peças novas no reparo de motores automotivos?

Para facilitar o processo de decisão entre peças para motor novas ou usadas, em reparos e manutenções de sua oficina mecânica, também separamos os aspectos positivos e negativos sobre os produtos novos.

O preço pode ser um pouco mais salgado 

O único ponto de desvantagem entre peças para motor novas e usadas, é que as novas são mais caras quando comparadas com as remanejadas. Em alguns casos, a diferença pode ser realmente muito grande.

Lembrando que apesar dessa decisão ficar a critério do cliente, ao adquirir uma mercadoria usada, o consumidor está sempre assumindo o risco de comprar um produto com qualidade inferior.

Peças novas são mais confiáveis

As peças automotivas novas são muito mais confiáveis, pois além de carregarem o título de originais, ainda são mais seguras, porque não há qualquer dúvida acerca da utilização delas por outros donos.

Peças novas têm maior tempo de durabilidade e garantia

Apesar de serem mais caros, os componentes novos têm um tempo de vida útil muito superior aos usados, além do fato de possuírem garantia pelo fabricante e pelo fornecedor.

Ou seja, menos dor de cabeça caso um cliente tenha problemas com algum reparo ou manutenção feita em sua autopeças, não é verdade?

Como você pôde conferir, entre peças para motor novas ou usadas, sempre recomende aos clientes da oficina que utilizem as primeiras. Os benefícios são muito maiores e a relação custo-benefício de partes usadas não compensa, na maioria dos casos.

Agora que você já sabe como escolher o melhor tipo de peças para motor, não deixe de conferir também o nosso post sobre como é feita a certificação Inmetro para peças automotivas!